Skip to main content

Hitachi

Hitachi no Brasil

Cidades inteligentes: dos exemplos às emergentes

Os projetos de cidades inteligentes já começaram a sair do papel nos gabinetes de urbanismo dos principais centros do mundo, e hoje já é possível observar e discutir as fórmulas e êxitos que transformaram a qualidade de vida dessas cidades e podem servir como importantes casos de estudo e inspiração para que que o conceito progrida.

O que são cidades inteligentes?

O conceito de cidades inteligentes pode ser muito amplo, e diferentes índices surgem regularmente para ajudar a determinar diferentes categorias importantes para o assunto.

Podemos dizer que as cidades inteligentes giram em torno do emprego massivo da Internet das Coisas (IoT), de maneira que haja uma integração entre diferentes setores da sociedade na busca por soluções que otimizem dilemas centrais como consumo de energia, mobilidade, segurança, moradia, lixo, saneamento e acessibilidade.

Diferentes recursos ligados à internet das coisas podem ser empregados pela cidade, como sensores e outros dispositivos que monitoram atividades e parâmetros que se transformam em dados.

Dados estes que podem ser utilizados de diferentes maneiras, como gerar relatórios que ajudem na tomada de decisões de um projeto urbano, informar os motoristas sobre o tráfego, automatizar atividades e alertas, programar dispositivos de inteligência artificial e dinamizar as relações como um todo, poupando tempo, energia e dinheiro.

As tecnologias voltadas para as cidades inteligentes são cada vez mais escaláveis, e diariamente a sociedade vê nascerem novas possibilidades para realizar uma transformação profunda e integrada na forma como nos relacionamos com os ambientes urbanos e com as pessoas com quem convivemos.

Que tal conhecermos alguns exemplos de sucesso nessa empreitada em direção ao futuro?

As maiores cidades inteligentes do mundo

Como mencionamos, existem muitos critérios na hora de definir uma cidade que promove a vida inteligente, como:

- Capacidade de lidar com resíduos;
- Mobilidade urbana, especialmente relacionada ao transporte público;
- Uso de energias renováveis;
- Otimização do consumo de energia;
- Integração virtual;
- Acessibilidade;
- Governança;
- Coesão social;
- Alcance internacional;
- Capacidade de planejamento;
- Geração de capital humano;
- Redução na emissão de poluentes;
- Otimização de espaços públicos;
- Aumentar a oferta de serviços urbanos para todos os públicos;
- Escalabilidade na implementação de novas tecnologias.

Não é por coincidência que as maiores cidades se tornaram inteligentes e que as cidades inteligentes se tornaram maiores. Existe uma importante correlação entre a necessidade por aumentar a qualidade de vida de seus habitantes e a busca por soluções tecnológicas.

Em nossa lista você vai conferir tanto casos das maiores cidades que incorporaram a filosofia de vida inteligente quanto de cidades que atingiram um novo nível de qualidade de vida e entraram no mapa graças ao seu investimento dentro do setor.

Singapura

A pequena cidade-estado de Singapura tem um papel central na economia e indústria da Ásia. Conduzida por políticas públicas radicais de urbanização, hoje seus cidadãos contam com um altíssimo nível de segurança, qualidade no transporte e também com um ótimo nível de confiabilidade e satisfação por parte dos moradores.

A grande maioria de casas e empresas são equipadas de forma inteligente e permitem que muitos desses equipamentos sejam compartilhados para criar dados que aumentam a experiência dos gestores e da inteligência artificial, o que ajuda na solução de problemas.

Essa ajuda acontece de forma cruzada, com a cidade oferecendo transparência ao público para que diferentes projetos possam ser simulados sobre diversos dados, contando até mesmo com um mapeamento 3D da cidade para diferentes projeções.

Oslo

A capital norueguesa tem um grande consumo energético com calefação para lidar com as temperaturas polares e as longas noites, que acabam exigindo maior iluminação.

O padrão de qualidade nórdico foi construído sobre o emprego inteligente de seus recursos. Oslo é hoje uma das cidades com o maior volume de carros elétricos, e talvez a mais adaptada a eles.

Outra vez as políticas públicas operam uma regra fundamental na determinação de metas que, no caso da capital norueguesa, são bastante arrojadas, buscando diminuir em 95% a emissão de gases poluentes durante esta década.

O entusiasmo com as tecnologias inteligentes é tanto que o governo norueguês já está dando seus primeiros passos na elaboração de uma cidade inteligente ao lado de Oslo, que será uma vitrine e tubo de ensaio para as principais frentes tecnológicas do país.

Nova York

Dificilmente Nova York fica fora de alguma lista de "maiores cidades". O coração econômico dos Estados Unidos é um exemplo do poder inovador que a iniciativa privada tem como motor de inovação. A vanguarda das tecnologias estudadas na Califórnia e testadas em Boston aparecem em N.Y. antes de tudo.

Esse ciclo virtuoso de inovação ajuda a manter os Estados Unidos sempre atualizados e ditando tendências. É fácil entender o nível de comprometimento técnico da cidade ao caminhar por suas avenidas, pegar um metrô ou ficar hospedado em um quarto de hotel na capital.

Famosa por figurar em filmes de crimes, a cidade luta para usar a tecnologia a fim de garantir mais segurança e evitar ocorrências através do reconhecimento facial, fichas policiais integradas e monitoramento inteligente.

Dubai

Famosa por seus arranha céus e opulência, Dubai também quer ser lembrada pela qualidade de vida que oferece a quem vive e visita seus principais cartões postais.

Um dos grandes problemas da cidade era conseguir manejar o volume de serviços prestados a empresas que têm suas sedes na capital, o que está sendo integrado a um único app, capaz de prestar mais de 90 serviços, diminuindo não apenas a burocracia como também poupando muito com recursos públicos.

Essa agilidade de tramitação de solicitações só torna a cidade ainda mais atraente para gestores de todo o Oriente Médio, alimentando uma cultura empreendedora de primeiro nível.

Amsterdã

Famosas pelas suas bikes e parques, a cidade leva mesmo a sério esse símbolo e consegue ser totalmente inteligente sem deixar de ser verde e bucólica.

Com um sistema inteligente de trânsito e compartilhamento de automóveis, Amsterdã consegue ser um primor na qualidade de serviços prestados a enorme quantidade de turistas que visitam diariamente a capital.

Atenas

A capital grega estava imersa em uma crise que parecia sem solução: com o país endividado e um contingente de centenas de milhares de imigrantes sírios fugindo da guerra, a cidade tomou a decisão mais acertada de todas: investir em tecnologia para a qualidade de vida.

Hoje Atenas é um dos melhores exemplos de cidades que contornaram crises através de investimento público em tecnologia. Apesar de ainda estar desenvolvendo suas estruturas inteligentes, certamente a cidade merece atenção dentro do cenário de outras cidades que estão dando o passo certo.

Tóquio

A cidade mais populosa do mundo sempre foi um exemplo de inovação, e fez investimentos massivos para sediar as Olimpíadas, aproveitando o evento como uma vitrine do poder de organização que o Japão sempre ostentou com excelência nos mais diversos setores de sua economia e infraestrutura.


Esperamos que tenha se inspirado com a leitura! O mundo tem ganhado a cada dia mais projetos e exemplos de sucesso rumo à inovação, e a Hitachi se orgulha de ser um agente nesse processo em direção ao futuro. Em nossa página você conhece nosso conjunto de projetos e soluções para inspirar os novos tempos! Nos vemos por lá.